terça-feira, 23 de janeiro de 2007

(In) Coerência

Luís Villas-Boas, um dos que hoje foi entregar o pedido de habeas corpus, tem defendido publicamente que o "Pai adoptivo" não deverá estar na prisão e tem direito a ficar com a pequena Esmeralda a seu cuidado.
No entanto, em 5 de Fevereiro de 2005, contactado pelo Correio da Manhã, afirmou "“a Lei portuguesa tem de ajudar” Baltazar Nunes a assumir a paternidade. “O não cumprimento da ordem do Tribunal é uma desobediência qualificada.”
Ora, se é uma desobediência qualificada, tal não dá direito a prisão? Então para que assinou o habeas corpus para tirá-lo de lá?
Ou, passados 5 anos, o casal "adquiriu" o direito de ter a criança por usucapião (com 4 anos - falou ao Correio da Manhã tinha a menor 4 anos de idade - deverá ficar com o Pai, mas com 5 já deve ficar com o casal)?
Salvo o devido respeito, parece uma contradição. Ou então uma mudança de opinião, cujos fundamentos pessoalmento desconheço.

2 comentários:

Ricardo S disse...

Chega! Já não falo mais no "caso Esmeralda"... Irei acompanhar, claro, os desenvolvimentos do caso, mas, salvo especial escepção, não irei mais falar aqui sobre o mesmo.

Sister disse...

Ainda bem que falaste q eu nao tenho visto as notícias e ja andava baralhada com isto tudo.
Já estive a ler atentamente para conseguir por as ideias em ordem.
Mais um belo argumento para uma novela mexicana ou venezuelana.
Não sei qual vai ser o desfecho, mas que seja rápido.
Alexa.